A História de Maria Cardenas Baez

Comments: 1
Category: Testemunhos
21 agosto 2012, Comments: 1

Eu sempre achei que havia nascido para ser lésbica, portanto nunca sequer pensei na possibilidade de mudar minha orientação sexual. Eu havia experimentado atração pelo mesmo sexo desde muito cedo, o que eventualmente me levou a experimentar dois longos e significativos relacionamentos homossexuais. Contudo, durante todo aquele tempo, meus pais oravam diligentemente em meu favor. Deus ouviu e respondeu suas orações.

Cheguei a um ponto em minha vida quando comecei a examinar mais criticamente o estilo de vida lésbico. Aos poucos fui percebendo que era algo vazio, e acabei decidindo que não queria mais fazer parte do lesbianismo. Esta revelação tornou-se clara durante um retiro. Durante um tempo de oração, percebi que não queria voltar para casa e retornar ao estilo de vida lésbico. Eu estava muito impactada pelo vazio gerado pela busca por preenchimento em uma outra pessoa, e não em Deus. Eu não queria mais desejar intimidade sexual com uma mulher. Eu queria desejar que Deus preenchesse minha vida. Foi neste ponto que fiz um trato com Deus; Eu lhe pedi que acabasse com minha vida, ou que a mudasse. Ele começou a mudá-la.

Imediatamente me desliguei de tudo o que me associava aos meus amigos na homossexualidade. Alguma coisa bem dentro de mim não mais queria ser parte da comunidade homossexual, então foi fácil fazer isto. Ao mesmo tempo comecei a buscar este novo relacionamento com Deus.

Por seis meses eu passei uma hora a cada dia em uma capela católica, meditando em Deus e considerando esta nova e profunda atração que sentia por Ele. Ao mesmo tempo, comecei a freqüentar a igreja Presbiteriana de meus pais. Senti-me bem vinda por lá, e confiei suficientemente no jovem pastor para lhe contar sobre o meu passado. Ele foi muito atencioso e buscou por recursos que pudessem me ajudar. Ele não encontrou nenhum tipo de ajuda específica na Igreja Presbiteriana, mas encontrou um programa de discipulado interdenominacional ao qual me juntei. O maior benefício daquele programa foi o relacionamento com uma mulher da liderança do grupo. Ela gastou seu tempo comigo, permitindo que eu falasse sobre minhas dúvidas e questões sobre a Bíblia, minha relação com Deus e minhas lutas sexuais. Ela sempre mostrou-me Jesus como meu Redentor e fonte de transformação.

O próximo passo em minha caminhada com Deus foi o período de um ano de aconselhamento com um profissional Cristão. Juntos trabalhamos as questões relacionadas à forma como via a Deus, e também como Ele me via. À medida em que mais questões sexuais vinham à tona em minha vida, este conselheiro encaminhou-me a um ministério Cristão que se especializara em ajudar homens e mulheres que enfrentam lutas sexuais. Foi então que aos poucos fui entrando em contato com minhas necessidades e feridas profundas, as quais haviam resultado em minhas atrações lésbicas e carências afetivas, gerando necessidade de afirmação de minha feminilidade, experiência de amor incondicional e segurança, as quais foram restaurando minha confiança em outras pessoas e na proteção amoroso de Deus, dispensada a mim. Foi naquele grupo que aprendi que apenas Deus, e não outra mulher, poderia verdadeiramente proteger-me.

Este processo de transformação não foi fácil, mas à medida em que fui permitindo que as pessoas de minha Igreja Presbiteriana soubessem de meu envolvimento neste ministério, fui recebendo deles oração e intercessão, aceitação, e encorajamento para não desistir. Esta aceitação me encorajou a continuar, mesmo quando ficava muito difícil. Eles sempre me lembravam que minha esperança estava em Deus. Embora deixavam claro que estavam prontos a me ajudar, não tentaram tomar o lugar de Deus em minha vida. Eles fizeram tudo isto sem comprometer o padrão das Escrituras com relação à pureza sexual ou o mandamento de que devemos nos amar uns aos outros; e todo o tempo, apontavam para a verdade, Jesus Cristo.

Alguns anos se passaram desde o começo deste processo. Hoje estou segura no amor que encontrei em Deus e em Seu povo, pessoas que me ajudaram a tomar aquele passo a mais em direção a Deus, através de seu forte amor. Ao invés de me condenarem ou comprometerem os padrões de Deus para mim, eles me ajudaram a convencer-me do compromisso de Deus em me restaurar.



Maria Cardenas Baez é membro da Junta Diretiva do OnebyOne, e uma de seus preletores. Ela tem estado ativamente envolvida com o ministério “Desert Streams”, um ministério interdenominacional. Maria é também Presbítera da Igreja Presbiteriana de San Gabriel, e aluna de Teologia no Seminário Fuller. Maria experimentou libertação do lesbianismo, e tem sido líder de grupos de apoio a homens e mulheres em luta com sua sexualidade.

One response on “A História de Maria Cardenas Baez

  1. JACKSON disse:

    DEUS AGE NA VIDA DE UMA PESSOA QUE BUSCA AJUDA NELE. BASTA TÃO SOMENTE CHEGAR MAIS PERTO DE DEUS E PEDIR POR SOCORRO E SUA MÃO PODEROSA ESTARÁ ESTENDIDA PARA ABENÇOAR.

Deixe uma resposta